Increase Font:

Tesouro publica Relatório Resumido da Execução Orçamentária e Relatório da Gestão Fiscal de 2017

Documentos trazem dados da Receita Corrente Líquida, do cumprimento da regra de ouro, do cumprimento dos mínimos constitucionais da saúde e educação e da disponibilidade de caixa do Tesouro, dentre outros

O Governo Federal pagou R$ 303,5 bilhões em despesas com pessoal e encargos sociais em 2017, enquanto juros e encargos da dívida consumiram R$ 203,1 bilhões e a amortização (exceto refinanciamento), R$ 320,4 bilhões. Os números estão no Relatório Resumido da Execução Orçamentária do Governo Federal, publicado nesta terça-feira (30/01).

A versão sintética apresenta, de maneira visual, os principais números do documento. Os dados mostram, por exemplo, o peso de despesas obrigatórias sobre os investimentos, para os quais foram pagos R$ 18,4 bilhões.

O documento mostra ainda os valores das transferências aos entes da Federação, benefícios previdenciários, inversões financeiras e amortização de dívida. Uma tabela traz a evolução da Receita Corrente Líquida, que acumulou R$ 727,25 bilhões no ano, enquanto outra apresenta o resultado da regra de ouro de 2017, cumprida com uma margem de R$ 28,8 bilhões.   

Já o Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo Federal apresenta informações sobre a despesa de pessoal, dívida consolidada líquida, disponibilidade de caixa, garantias, operações de crédito, dentre outras. De igual modo, a versão sintética apresenta o relatório de forma gráfica. Nesse relatório, é possível verificar o forte crescimento da dívida líquida da União em proporção à receita corrente líquida. Também destaca-se o alto acúmulo de disponibilidade de caixa líquida vinculada a fundos, órgãos e programas (R$ 278,9 bilhões) e outros recursos vinculados (R$ 29,8 bilhões), em detrimento de um volume baixo de recursos não vinculados (R$ 47,4 bilhões).